Crimes: Polícia Civil de Luzilândia foca em investigações

Em relatório sobre segurança pública no Piauí, o município de Luzilândia foi classificado como sendo de médio risco em relação a ocorrências criminais, ficando em patamar semelhante à Pedro II e atrás apenas de Floriano e de Teresina, estes dois classificados como de alto risco. Um dos maiores entraves para a promoção de uma segurança pública de qualidade em Luzilândia é a falta de estrutura adequada. A delegacia de Polícia da cidade, por exemplo, conta apenas com quatro policiais civis e uma viatura, que está quebrada.

O Delegado Renato Pinheiro, que assumiu a delegacia de Luzilândia no final de julho, afirma que apesar das dificuldades sua equipe tem se esforçado no combate ao crime e na busca do sentimento de segurança para Luzilândia.  Ele conta que foi traçado um plano de segurança pública pelo Delegado Geral, em que foram destacadas metas de curto, médio e longo prazo, e todas estão sendo seguidas. “Temos um caminho traçado para tornar Luzilândia mais segura e prender os criminosos”, afirma o delegado.

No entanto, Renato Pinheiro reconhece que a péssima estrutura, como a falta de viatura e a quantidade de policiais, dificulta o trabalho da polícia. “Essa é a melhor equipe que eu já trabalhei, os policiais são investigadores de verdade e tem informantes em todos os pontos da cidade, mas devido ao pouco pessoal, talvez não daremos conta de tudo, no entanto, a população pode estar certa que nós estamos dando o nosso máximo para esclarecer os crimes”, afirma.

O delegado diz, ainda, que não abre mão de um expediente de investigação. Ele afirma que na delegacia de Luzilândia não existe plantão … “Se instituirmos o plantão a delegacia servirá unicamente para registro de ocorrências”, explica.

Para o delegado a população tem uma falsa impressão que o B.O resolve alguma a coisa. Ele explica que o “Boletim de Ocorrência” é apenas um meio de a autoridade policial tomar conhecimento de uma infração penal e daí iniciar a investigação que apure essa infração e responsabilize quem a cometeu. “O B.O também serve para análise da estatística criminal, mas na essência, é apenas um pedaço de papel”, comenta.

Ele explica, ainda, que se algum cidadão for vítima de um crime durante o fim de semana, quando não há expediente na delegacia devido o número reduzido de policial, esse tem que se dirigir à Companhia da Polícia Militar.  Caso ocorra uma situação de flagrante, o caso será encaminhado para a Regional de Esperantina. “Se não ocorrer a prisão em flagrante, o cidadão deve se dirigir à delegacia de Luzilândia durante a semana com os documentos pessoais para registrar a ocorrência e iniciamos a investigação”, explica.

Fonte: Paula Andreas (ClicaLuzilândia) Foto: Google Maps

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.