Take a fresh look at your lifestyle.

Homem morre após ser agredido por policiais em Luzilândia

Um homem identificado como Raimundo Nonato Lima da Costa, suspeito de furar uma barreira sanitária entre Luzilândia e o Maranhão, morreu na madrugada desta sexta-feira(08), no hospital de Luzilândia, após passar mal na delegacia. A suspeita é de que ele teria sido torturado, durante a prisão, por policiais militares.

O caso iniciou ainda na tarde quinta-feira(07), quando Raimundo Nonato não teria obedecido a ordem de parada e ainda teria ameaçado os policiais com uma arma branca. Os policiais teriam pedido reforço e saído a procura do homem, o encontraram na casa dele, na zona rural de Luzilândia.

A nota da Polícia Militar, sobre o caso, afirma que “ao ser localizado, o indivíduo teria reagido, sendo contido e levado preso a delegacia.  Ao chegar na delegacia, o mesmo foi recolhido a cela, por ordem da autoridade judiciária e no final da tarde o indivíduo passou mal, sendo encaminhado ao hospital, onde veio a falecer no período da noite”, afirma a diretora de Comunicação Social da PMPI, tenente coronel Elza Rodrigues.

Com a morte de Raimundo, a perícia criminal e o Instituto Médico Legal (IML) de Parnaíba foram acionados e estiveram na casa da vítima. O Cidadeverde.com apurou que no local, os peritos fizeram o levantamento e recolheram objetos com marcas de sangue que foram entregues à Polícia Civil que vai investigar o caso. A perícia ocorreu na manhã de sexta(08), quase 24 horas depois da suposta tortura, já que a vítima havia sido socorrida.

O corpo de Raimundo foi levado ao IML de Parnaíba e liberado ainda ontem, depois da perícia, para sepultamento.

O Comando Geral da PM determinou abertura de Inquérito Policial Militar através da Corregedoria e o afastamento dos policiais militares envolvidos na ocorrência, inclusive apresentando os mesmos no Batalhão de Piripiri. Determinou ainda, ao presidente do inquérito policial militar, que seja juntado a perícia e exames realizados pelo Instituto Médico Legal.

O delegado Renato Pinheiro que está a frente das investigações, informou ao Cidadeverde.com que decretou sigilo e não poderá falar sobre o caso.

 

Fonte e foto: ClicaLuzilândia/CidadeVerde.com

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.