“Holofote contamina”, critica jurista sobre decisões no Judiciário

Em Teresina para o lançamento da Associação de Juristas pela Democracia (ABJD), o advogado César Britto criticou o comportamento de magistrados nacionais diante de grandes casos de repercussão. Ele é ex-presidente da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB).

Em entrevista à TV Cidade Verde, Britto disse que a vaidade diante da repercussão ameaça princípios fundamentais do Judiciário e da democracia. “O holofote contamina o julgamento. O holofote tem demonstrado que se preocupa muito mais com a opinião pública do que com o processo, e isso é ruim. É preciso compatibilizar a necessidade da publicidade com os princípios fundamentais da imparcialidade do magistrado”.

Segundo o membro da ABJD, a repercussão acaba gerando o envolvimento de magistrados com palestras, publicação de livros e até filmes, o que interfere na isenção da justiça. “A decisão tem que ser pública, o julgamento tem que ser público, o problema está quando você transforma o julgador em astro, quando ele passa a ser, ele próprio, o centro da questão”. 

Sobre o caso envolvendo o ex-juiz e atual ministro da Justiça, Sérgio Moro, Britto avalia como incorreta a possibilidade de quebrar a lógica de separação do juiz, Ministério Público e polícia em prol de uma decisão favorável.

Na entrevista, o advogado ainda fala sobre o Intercept e a relação de juristas para interferir em manifestações políticas que apoiem suas decisões. “A justiça erra quando entra nas convicções políticas e pessoais”, afirma.

Lançamento

O lançamento da Associação de Juristas pela Democracia (ABJD), será realizado na OAB Teresina às 19h. Dentre o público-alvo estão advogados, juízes, membros do Ministério Público, delegados e estudantes.

Valmir Macêdo
valmirmacedo@cidadeverde.com

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.