A “jogada de mestre” de Janainna Marques

Bons políticos são medidos por suas “jogadas de mestre”. Por suas “cartas tiradas da manga”. A Ciência Política ensina que tanto numa pré-campanha como em uma campanha eleitoral o político sagaz é visto como sendo aquele que é capaz de virar de ponta cabeça cenários que se pensava definidos

S

obre a “jogada de mestre”, ensina a literatura popular que “há duas formas de um homem ter riqueza nesse mundo. Uma é ter muitos amigos. E a outra é ter muito dinheiro. Mas, nunca ambas juntas”. Isso porque mesmo que tenha muitos amigos, cresce o número de inimigos ao redor do homem rico, ainda que camuflado.


No cenário político, a expressão também pode ser usada como “cartada de mestre”, “carta da manga”, que nada mais é do que a arte de passar para trás o adversário dissimulando ou não um apoiamento político-eleitoral. Quem cair na cilada como uma vítima de uma “jogada de mestre” fica conhecido como “político otário”, cuja cabeça é desprovida dos antivírus da crítica.


Trazendo a questão para perto de nós todos, no caso da eleição de 2020 em Luzilândia, o apoio político da deputada Janainna Marques às pretensões da esposa do deputado Themístocles Filho de ser prefeita de Esperantina foi, no sentido mais elementar da palavra, uma verdadeira “jogada de mestre”, uma oportuna “carta tirada da manga”. A deputada conseguiu com uma “cajadada só matar dois coelhos”, tirando praticamente do páreo dois dos seus adversários, um em Joca Marques e outro em Luzilândia. A “jogada”, inclusive, fez com que obrigasse um deles a desfiliar-se de um partido.


A máxima política ensina que, em se tratando de eleição e mineração, somente se sabe o resultado após a apuração. Porém, no jogo pelo poder, nas tratativas de apoios para uma futura eleição, político nenhum poderá arriscar ficar no meio do caminho como “bobo da corte”, palitando os dentes e amargando desventura.


Estava mais do que escrito nas estrelas que Themístocles Filho faria um acordo com Janainna Marques para eleger a esposa em Esperantina. Favas contadas! Seria muita ingenuidade pensar diferente. E não perceber a estratégia política que poderia, inclusive, beneficiar tanto um como a outra em Esperantina e em Luzilândia, respectivamente.


Janainna Marques foi buscar justamente o que mais lhe interessava: reforçar o projeto de reeleição do irmão em Joca Marques e de eleição da irmã em Luzilândia. Com uma ação só enfraqueceu dois adversários ao mesmo tempo. E coloca, no mínimo, muita “minhoca” na cabeça do eleitor dos dois municípios daqui até outubro.


Bons políticos são medidos por suas “jogadas de mestre”. Por suas “cartas tiradas da manga”. A Ciência Política ensina que tanto numa pré-campanha como em uma campanha eleitoral o político sagaz é visto como sendo aquele que é capaz de virar de ponta cabeça cenários que se pensava definidos.


Recentemente, com o fato político ocorrido em Esperantina, os acordos trazem para o cenário de Luzilândia novas e futuras estratégias. Quando se pensava num cenário político luzilandense praticamente definido, de repente o quadro muda com o fechamento de um acordo em outro município. E, também, de repente um “senhor de si” fica a ver navio, contemplando o ocaso, prenúncio de um declínio iminente.


Em política, sabe-se, tudo é subjetivo! Cada caso é um caso. No que tange e no que toca à parte de Janaina Marques, ela fez muito bem feito o dever de casa dela. Para muitos surpreendente! Para mim, não! A deputada mostrou-se hábil em sua “jogada de mestre” e praticamente neutralizou dois adversários em potencial. Avaliei que isso poderia se concretizar. Aliás, como bom entendedor, tudo era previsível.

Político deve sempre ficar atento para um conselho secular: “Nem tudo que reluz é ouro; nem tudo que se veste de verdade é; e nem todos os que vagueiam estão perdidos”.


A filosofia de Fernanda Simões Rodrigues ensina que, “assim como nem tudo o que reluz é ouro, também há muito diamante bruto que num primeiro momento parece uma pedra como tantas outras. Da mesma forma ocorre com a essência das pessoas: não se manifesta de imediato, mas o tempo e as circunstâncias se encarregam de revelar.


Sem rodeios e para concluir, a atitude de Themístocles Filho se revelou perfeitamente na máxima citada. Escondeu o jogo e o desnudou na sua mais sublime essência apenas para Janainna Marques, com quem levará vantagem política e vice-versa. É de Sófocles o ensinamento: “O poder revela o homem”. E a busca dele também.


Que ninguém se iluda: o discurso da vice-prefeita Jackeline Aguiar no “I Encontro de Mulheres” que premiou Mulheres em Destaque em Luzilândia neste domingo, de iniciativa da deputada Janainna Marques, deu o tom decisivo de como o MDB do deputado Themístocles Filho mudou de lado para a eleição de 2020 na minha terra natal. E que os incautos também não se iludam, porque pode ter havido o dedo decisivo do governador Wellington Dias nesse alinhamento político Esperantina/Luzilândia. Não duvide! As ‘quatro paredes’ falam por si! E quando desabam revelam até o inconfessável!

*Por Miguel Dias Pinheiro, advogado, procurador aposentado e ex-professor universitário

Fonte: JL

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.